Arquivo anual 21 de Setembro, 2022

Porfsweb

Delegação da Comunidade Emanuel recebida pelo COD Coimbra

O COD Coimbra recebeu na sua sede representantes da “Comunidade Emanuel”, que escolheram a Diocese de Coimbra para realizar a sua experiência dos Dias Nas Dioceses da JMJ 2023 que se realizará no Verão do próximo ano. ✌😄

Com eles virão milhares de jovens, juntando-se aos milhares de peregrinos internacionais que farão a sua experiência DND em Coimbra, recebidos por toda a nossa diocese.

Porfsweb

Mensagem do Papa Francisco para a 37ª JMJ Lisboa 2023

Foi divulgada hoje, pelo Vaticano, a mensagem que o Papa escreveu aos jovens por ocasião das JMJ que terão lugar no nosso país em agosto de 2023.

A minha mensagem para vós #jovens, a grande mensagem de que é portadora a Igreja é Jesus! Sim, Ele mesmo, o seu amor infinito por cada um de nós, a sua salvação e a vida nova que nos deu. #JMJ #Lisboa2023

«Maria levantou-se e partiu apressadamente» (Lc 1, 39)

Queridos jovens!

O tema da JMJ do Panamá era este: «Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra» (Lc 1, 38). Depois daquele evento, retomamos o caminho para uma nova meta – Lisboa 2023 –, deixando ecoar nos nossos corações o premente convite de Deus a levantar-nos. Em 2020, meditamos nesta palavra de Jesus: «Jovem, Eu te digo, levanta-te!» (cf. Lc 7, 14). No ano passado, serviu-nos de inspiração a figura do apóstolo São Paulo, a quem o Senhor ressuscitado dissera: «Levanta-te! Eu te constituo testemunha do que viste» (cf. At 26, 16). No troço de estrada que ainda nos falta para chegar a Lisboa, caminharemos juntos com a Virgem de Nazaré, que, imediatamente depois da Anunciação, «levantou-se e partiu apressadamente” (Lc 1, 39) para ir ajudar a prima Isabel. Comum aos três temas é o verbo levantar-se, palavra (é bom lembrá-lo!) que significa também «ressuscitar», «despertar para a vida».

Nestes últimos tempos tão difíceis, em que a humanidade já provada pelo trauma da pandemia, é dilacerada pelo drama da guerra, Maria reabre para todos e em particular para vós, jovens como Ela, o caminho da proximidade e do encontro. Espero e creio fortemente que a experiência que muitos de vós ireis viver em Lisboa, no mês de agosto do próximo ano, representará um novo começo para vós jovens e, convosco, para toda a humanidade.

Maria levantou-se

Depois da Anunciação, Maria teria podido concentrar-se em si mesma, nas preocupações e temores derivados da sua nova condição; mas não! Entrega-se totalmente a Deus! Pensa, antes, em Isabel. Levanta-se e sai para a luz do sol, onde há vida e movimento. Apesar do inquietante anúncio do Anjo ter provocado um «terremoto» nos seus planos, a jovem não se deixa paralisar, porque dentro d’Ela está Jesus, poder de ressurreição. Dentro d’Ela, traz já o Cordeiro Imolado mas sempre vivo. Levanta-se e põe-se em movimento, porque tem a certeza de que os planos de Deus são o melhor projeto possível para a sua vida. Maria torna-se templo de Deus, imagem da Igreja em caminho, a Igreja que sai e se coloca ao serviço, a Igreja portadora da Boa Nova.

Experimentar na própria vida a presença de Cristo ressuscitado, encontrá-Lo «vivo», é a maior alegria espiritual, uma explosão de luz que não pode deixar ninguém «parado». Imediatamente põe em movimento impelindo a levar aos outros esta notícia, a testemunhar a alegria deste encontro. É aquilo que anima a pressa dos primeiros discípulos nos dias que se seguiram à ressurreição: «Afastando-se apressadamente do sepulcro, cheias de temor e grande alegria, as mulheres correram a dar a notícia aos discípulos» (Mt 28, 8).

As narrações da ressurreição usam muitas vezes dois verbos: acordar e levantar-se. Através deles, o Senhor impele-nos a sair para a luz, a deixar-se conduzir por Ele para superar o limiar de todas as nossas portas fechadas. «É uma imagem significativa para a Igreja. Também nós, como discípulos do Senhor e como Comunidade Cristã, somos chamados a erguer-nos apressadamente para entrar no dinamismo da ressurreição e deixar-nos conduzir pelo Senhor ao longo dos caminhos que Ele nos queira indicar» (Francisco, Homilia na Solenidade de São Pedro e São Paulo, 29/VI/2022).

A Mãe do Senhor é modelo dos jovens em movimento, jovens que não ficam imóveis diante do espelho em contemplação da própria imagem, nem «alheados» nas redes. Ela está completamente projetada para o exterior. É a mulher pascal, num estado permanente de êxodo, de saída de si mesma para o Outro, com letra grande, que é Deus e para os outros, os irmãos e as irmãs, sobretudo os necessitados, como estava então a prima Isabel.

…e partiu apressadamente

Santo Ambrósio de Milão escreve, no seu comentário ao Evangelho de Lucas, que Maria partiu apressadamente para a montanha, «porque estava feliz com a promessa e desejosa de prestar devotadamente um serviço, com o entusiasmo que lhe vinha da alegria interior. Agora, cheia de Deus, para onde poderia apressar-se se não em direção ao alto? A graça do Espírito Santo não admite morosidades». Por isso a pressa de Maria é ditada pela solicitude do serviço, do anúncio jubiloso, duma pronta resposta à graça do Espírito Santo.

Maria deixou-se interpelar pela necessidade da sua prima idosa. Não se escusou, não ficou indiferente. Pensou mais nos outros do que em si mesma. E isto conferiu dinamismo e entusiasmo à sua vida. Cada um de vós pode perguntar-se: Como reajo perante as necessidades que vejo ao meu redor? Busco imediatamente uma justificação para não me comprometer, ou interesso-me e torno-me disponível? É certo que não podeis resolver todos os problemas do mundo; mas talvez possais começar por aqueles de quem está mais próximo de vós, pelas questões do vosso território. Uma vez disseram a Madre Teresa que «quanto ela fazia não passava duma gota no oceano». E ela respondeu: «Mas, se não o fizesse, o oceano teria uma gota a menos».

Perante uma necessidade concreta e urgente, é preciso agir apressadamente. No mundo, quantas pessoas esperam uma visita de alguém que cuide delas! Quantos idosos, doentes, presos, refugiados precisam do nosso olhar compassivo, da nossa visita, de um irmão ou uma irmã que ultrapasse as barreiras da indiferença!

Quais são as «pressas» que vos movem, queridos jovens? O que é que vos faz sentir de tal maneira a premência de vos moverdes que não conseguis ficar parados? Há muitos que, impressionados por realidades como a pandemia, a guerra, a migração forçada, a pobreza, a violência, as calamidades climáticas, se interrogam: Porque é que me acontece isto? Porquê precisamente a mim? Porquê agora? Mas a pergunta central da nossa existência é esta: Para quem sou eu? (cf. Francisco, Exort. ap. pós-sinodal Christus vivit, 286).

A pressa da jovem mulher de Nazaré é a pressa típica daqueles que receberam dons extraordinários do Senhor e não podem deixar de partilhar, de fazer transbordar a graça imensa que experimentaram. É a pressa de quem sabe colocar as necessidades do outro acima das próprias. Maria é exemplo de jovem que não perde tempo a mendigar a atenção ou a aprovação dos outros – como acontece quando dependemos daquele «gosto» nas redes sociais –, mas move-se para procurar a conexão mais genuína, aquela que provem do encontro, da partilha, do amor e do serviço.

A partir da Anunciação, desde aquela primeira vez quando partiu para ir visitar a sua prima, Maria não cessa de atravessar espaços e tempos para visitar os filhos carecidos da sua ajuda carinhosa. Os nossos passos, se habitados por Deus, levam-nos diretamente ao coração de cada um dos nossos irmãos e irmãs. Quantos testemunhos nos chegam de pessoas «visitadas» por Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe. Em quantos lugares remotos da terra, ao longo dos séculos, Maria visitou o seu povo com aparições ou graças especiais. Praticamente não há lugar, na Terra, que não tenha sido visitado por Ela. Movida por uma solícita ternura, a Mãe de Deus caminha no meio do seu povo e cuida das suas angústias e vicissitudes. E onde quer que haja um santuário, uma igreja, uma capela a Ela dedicada, lá acorrem numerosos os seus filhos. Quantas expressões de piedade popular! As peregrinações, as festas, as súplicas, o acolhimento das imagens nas casas e muitas outras iniciativas são exemplos concretos da relação viva entre a Mãe do Senhor e o seu povo, que se visitam reciprocamente.

Uma pressa boa impele-nos sempre para o alto e para o outro

Uma pressa boa impele-nos sempre para alto e para o outro. Mas há também uma pressa não boa, como, por exemplo, a pressa que nos leva a viver superficialmente, tomar tudo levianamente sem empenho nem atenção, sem nos envolvermos verdadeiramente no que fazemos; a pressa de quando vivemos, estudamos, trabalhamos, convivemos com os outros sem colocarmos nisso a cabeça e menos ainda o coração. Pode acontecer nas relações interpessoais: na família, quando nunca ouvimos verdadeiramente os outros nem lhes dedicamos tempo; nas amizades, quando esperamos que um amigo nos faça divertir e dê resposta às nossas exigências, mas, se virmos que ele está em crise e precisa de nós, imediatamente o evitamos e procuramos outro; e mesmo nas relações afetivas, entre noivos, poucos têm a paciência de se conhecerem e compreenderem a fundo. E, a mesma atitude, podemos tê-la na escola, no trabalho e noutras áreas da vida quotidiana. Ora, todas estas coisas vividas com pressa dificilmente darão fruto; há o risco de permanecerem estéreis. Assim se lê no livro dos Provérbios: «Os projetos do homem diligente têm êxito, mas quem se precipita [a pressa má] cai certamente na ruína» (21, 5).

Quando Maria, finalmente, chega à casa de Zacarias e Isabel, sucede um encontro maravilhoso. Isabel experimentou em si mesma uma intervenção prodigiosa de Deus, que lhe deu um filho na velhice. Teria todas as razões para falar, primeiro, de si mesma; mas não o fez, toda propensa a acolher a jovem prima e o fruto do seu ventre. Logo que ouve a sua saudação, Isabel fica cheia do Espírito Santo. Acontecem estas surpresas e irrupções do Espírito quando vivemos uma verdadeira hospitalidade, quando colocamos no centro o hóspede, e não a nós próprios. Vemos isto mesmo também na história de Zaqueu, que lemos em Lucas: «Quando chegou àquele local [onde estava Zaqueu], Jesus levantou os olhos e disse-lhe: “Zaqueu, desce depressa, pois hoje tenho de ficar em tua casa”. Ele desceu imediatamente e acolheu Jesus cheio de alegria» (19, 5-6).

Já aconteceu a muitos de nós sentir que, inesperadamente, Jesus vem ao nosso encontro: n’Ele, pela primeira vez, experimentamos uma proximidade, um respeito, uma ausência de preconceitos e condenações, um olhar de misericórdia que nunca tínhamos encontrado nos outros. Mais, sentimos também que, a Jesus, não Lhe bastava olhar-nos de longe, mas queria estar connosco, queria partilhar a sua vida connosco. A alegria desta experiência suscitou em nós a pressa de O acolher, a urgência de estar com Ele e conhecê-Lo melhor. Isabel e Zacarias hospedaram Maria e Jesus. Aprendamos daqueles dois anciãos o significado da hospitalidade. Perguntai aos vossos pais e aos vossos avós, bem como aos membros mais idosos das vossas comunidades, que significa para eles serem hospitaleiros para com Deus e com os outros. Fazer-vos-á bem escutar a experiência de quem vos precedeu.

Queridos jovens, é tempo de voltar a partir apressadamente para encontros concretos, para um real acolhimento de quem é diferente de nós, como acontece entre a jovem Maria e a idosa Isabel. Só assim superaremos as distâncias entre gerações, entre classes sociais, entre etnias, entre grupos e categorias de todo o género, e superaremos também as guerras. Os jovens são sempre a esperança duma nova unidade para a humanidade fragmentada e dividida. Mas somente se tiverem memória, apenas se escutarem os dramas e os sonhos dos idosos. «Não é por acaso que a guerra tenha voltado à Europa no momento em que está a desaparecer a geração que a viveu no século passado» (Francisco, Mensagem para o II Dia Mundial dos Avós e do Idosos). Há necessidade da aliança entre jovens e idosos, para não esquecer as lições da história, para superar as polarizações e os extremismos deste tempo.

Ao escrever aos Efésios, São Paulo anunciou: «Em Cristo Jesus, vós, que outrora estáveis longe, agora estais perto, pelo Sangue de Cristo. Com efeito, Ele é a nossa paz, Ele que, dos dois povos, fez um só e destruiu o muro de separação, a inimizade, na sua carne» (2, 13-14). Jesus é a resposta de Deus face aos desafios da humanidade em todos os tempos. E esta resposta, Maria leva-a dentro de si quando vai ao encontro de Isabel. A maior prenda que Maria oferece à sua parente idosa é levar-lhe Jesus: certamente também a ajuda concreta foi muito preciosa; mas nada teria podido encher a casa de Zacarias com uma alegria tão grande e um significado assim pleno como o fez a presença de Jesus no ventre da Virgem, que se tornara o tabernáculo do Deus vivo. Naquela região montanhosa, Jesus, com a mera presença, sem dizer uma palavra, pronuncia o seu primeiro «discurso da montanha»: proclama em silêncio a bem-aventurança dos pequeninos e dos humildes que se entregam à misericórdia de Deus.

A minha mensagem para vós jovens, a grande mensagem de que é portadora a Igreja é Jesus! Sim, Ele mesmo, o seu amor infinito por cada um de nós, a sua salvação e a vida nova que nos deu. E Maria é o modelo de como acolher este imenso dom na nossa vida e comunicá-lo aos outros, fazendo-nos por nossa vez portadores de Cristo, portadores do seu amor compassivo, do seu serviço generoso, à humanidade sofredora.

Todos juntos em Lisboa!

Maria era uma jovem como muitos de vós. Era uma de nós. Assim escrevia acerca dela o bispo D. Tonino Bello: «Santa Maria, (…) bem sabemos que foste destinada a navegar no alto mar. Mas, se te constrangemos a navegar junto da costa, não é porque queremos reduzir-te aos níveis da nossa pequena navegação costeira. É porque, vendo-te tão perto das praias do nosso desânimo, possa apoderar-se de nós a consciência de sermos chamados, também nós, a aventurar-nos, como Tu, nos oceanos da liberdade» (Maria, mulher dos nossos dias, Cinisello/Balsamo 2012, 12-13).

Como recordei na primeira Mensagem desta trilogia, nos séculos XV e XVI, muitos jovens (incluindo tantos missionários) partiram de Portugal rumo a mundos desconhecidos, inclusive para partilhar a sua experiência de Jesus com outros povos e nações (cf. Francisco, Mensagem JMJ 2020). E a esta terra, no início do século XX, Maria quis fazer uma visita especial, quando de Fátima lançou a todas as gerações a mensagem forte e maravilhosa do amor de Deus que chama à conversão, à verdadeira liberdade. A cada um e cada uma de vós renovo o meu caloroso convite a participar na grande peregrinação intercontinental dos jovens que culminará na JMJ de Lisboa em agosto do próximo ano; e recordo-vos que, no próximo 20 de novembro, Solenidade de Cristo Rei, celebraremos a Jornada Mundial da Juventude nas Igrejas particulares espalhadas pelo mundo inteiro. A propósito, o recente documento do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida – Orientações pastorais para a celebração da JMJ nas Igrejas particulares– pode ser de grande ajuda para todas as pessoas que trabalham na pastoral juvenil.

Sonho, queridos jovens, que na JMJ possais experimentar novamente a alegria do encontro com Deus e com os irmãos e as irmãs. Depois dum prolongado período de distanciamento e separação, em Lisboa – com a ajuda de Deus – reencontraremos juntos a alegria do abraço fraterno entre os povos e entre as gerações, o abraço da reconciliação e da paz, o abraço duma nova fraternidade missionária! Que o Espírito Santo acenda nos vossos corações o desejo de vos levantardes e a alegria de caminhardes todos juntos, em estilo sinodal, abandonando falsas fronteiras. O tempo de nos levantarmos é agora. Levantemo-nos apressadamente! E, como Maria, levemos Jesus dentro de nós, para O comunicar a todos. Neste belíssimo momento da vossa vida, avançai, não adieis o que o Espírito pode realizar em vós! De coração abençoo os vossos sonhos e os vossos passos.

Roma, São João de Latrão, na Solenidade da Assunção da Virgem Santa Maria,15 de agosto de 2022.

Francisco

Porfsweb

A vida que acolhemos – Semana da Vida 2022

Este ano, a Semana da Vida que decorre de 08 a 15 de maio tem como tema “A Vida que acolhemos”, tendo como inspiração “a parábola do Bom Samaritano”.

Esta iniciativa, promovida pela Comissão Episcopal Laicado e Família e pelo Departamento Nacional da Pastoral Familiar, pretende focar três temas: “O aborto, uma realidade oculta dos noticiários e que se estima represente cerca de 15.000 abortos por ano”; “A eutanásia, tema central face à atual realidade política nacional” e a “guerra na Europa, com todas as mortes e refugiados que provoca, este tema sim, em todos os noticiários diários”.

O tema central «A Vida que acolhemos» é inspirado na parábola do Bom Samaritano como “personagem de acolhimento e, em simultâneo estrangeiro, o que não deixa de ser um pouco desconcertante: é o estrangeiro que é o protagonista do acolhimento e não o inverso”.

A temática deste ano alinha-se com o tema do ano passado «A Vida que nos toca, A vida que sempre cuidamos» “num percurso” que os promotores pretendem “prolongar para o próximo ano”.

Cada dia tem o seu tema específico “Os que ainda não nasceram”, “Adoção”, “Os refugiados”, “O que é diferente”, “O que sofre”, “O que cuida” e “Família, lugar de acolhimento”

Semana da Vida 2022 começa com uma celebração mariana e encerra com uma eucaristia.

Porfsweb

Jovens – Viver o Pentecostes

A equipa do Emanuel Jovens propõe um fim de semana de pentecostes em Fátima, já nos próximos dias 4 e 5 de junho.

Mais informações deverão em breve estar disponíveis no Insta da Emanuel Jovens, em @emanueljovens_pt https://www.instagram.com/emanueljovens_pt/

Porfsweb

aDeus, Steven Labat

Os caminhos do Senhor são assim mesmo: insondáveis, por vezes até mesmo incompreensíveis – sem a fé, claro.

O Pe Steven Labat, de 32 anos, era padre da Comunidade Emanuel há apenas um ano – egípcio, do Cairo, tinha sido ordenado pela diocese de Paris.

No passado sábado, foi encontrado morto no monte Sinai – na passada quinta-feira terá, com amigos, começado a escalar o monte para de lá contemplar o pôr e o nascer do sol… segundo a polícia local, não terá cometido nenhuma imprudência – terá tido um ataque cardíaco e caiu… foi um acidente, uma queda, neste caso mortal.

Oriundo de uma família abastada, tinha estudado direito e pensava seguir uma carreira artística, como alguns membros da sua família; aos 19 anos, sentiu o apelo do Senhor a “tornar-se pescador de homens”, e disse sim.

Fez grande parte do seu percurso de seminarista na Bélgica, onde a Comunidade Emanuel tem uma de várias casas de formação de seminaristas, e, aos 31 anos, foi ordenado padre. Desde então que estava no Cairo, na paróquia de Caint-Cyrille onde, para além dos trabalhos próprios da paróquia e da Comunidade Emanuel, trabalhava muito com jovens e no acompanhamento dos presos na prisão local.

No Cairo, os irmãos da Comunidade Emanuel estão devastados – era o primeiro padre da comunidade no Egipto, e uma grande esperança, depois de 20 anos de implantação no país. Os sonhos e os projectos de futuro, multiplicavam-se. Aos olhos do mundo, é um autêntico desastre, mas Deus sabe o que faz – declarou o responsável dos padres para a Europa e Médio-Oriente.

Partilhamos convosco um vídeo que ele gravou e produziu com um cântico do Emanuel, “Mais perto de ti, Senhor”: https://www.youtube.com/watch?v=ecMRNQofIrA

Porfsweb

Fórum 2022 – Na força do Espírito

Este ano, este evento anual proposto pela Comunidade Emanuel foi em Coimbra,
no Salão Paroquial da igreja de São José.
O tema – “Na força do Espírito” – foi desenvolvido por um irmão belga da comunidade, o Jean-Luc Moens, que até há poucos meses era também o Moderador Internacional da Charis.

Tem dúvidas que prefira esclarecer de viva voz? A Marina Santos está disponível para ajudar e esclarecer todas as dúvidas: 916521734

Programa:

Sábado

09h30 – Acolhimento
10h00 – Louvor
10h30 – 1º Tema (“Quem é o Espírito Santo”)
11h40 – Intervalo
12h00 – Eucaristia (pres. D. Virgílio)
13h00 – Almoço
14h45 – Apresentação dos ateliers
15h00 – 1º atelier – “Como é que o Espírito Santo conduziu a Igreja desde o Concílio Vaticano II” (D. Virgílio)
16h00 – 2º atelier – “Viver do Espírito Santo no quotidiano” (irmã Goreti)
17h00 – Intervalo
17h30 – 2º Tema – “A promessa do Espírito Santo no Pentecostes”
18h30 – Adoração
19h30 – Jantar
21h00 – Início do serão
22h30 – Fim do serão

Transmissão online (sábado): https://youtu.be/x6lD3wo9rn0

Domingo

09h30 – Louvor
10h00 – Breve apresentação das propostas da Comunidade Emanuel (missões várias)
10h30 – 3º Tema – “Viver com o Espírito Santo”
11h45 – Intervalo
12h15 – Eucaristia

Transmissão online (Domingo) : https://youtu.be/cEOPnZNx41M

Alojamento e refeições:

Refeições

O salão no qual irá decorrer este fórum está muito próximo de uma grande Centro Comercial, o Alma Shopping, com uma enorme área de restauração (piso 3 e 4) com comida para todos os gostos e bolsos (no piso 0, o Jumbo permite que se coma na zona da pastelaria por pouco mais de 1€ – sopa, sandes, panados…).

Na rua adjacente ao Salão, a rua do Brasil, na zona do Calhabé, há muitas churrasqueiras e outros restaurantes, mais uma vez para todos os tipos de bolsos.

Alojamento

Cada qual deverá alojar-se pelos seus próprios meios, o que não será nada difícil tendo em conta que há em Coimbra muitos hotéis e residenciais.

Sugerimos que faça uma pesquisa rápida no Booking.com ou no Airbnb.pt . Uma irmã nossa, a Marina, está disponível para ajudar quem tenha dificuldade em fazer sozinho(a) esta reserva: poderá contactá-la pelo 916521734 .

Além de três conferências principais, teremos uma intervenção do Bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes, que nos virá falar da ação do Espírito na Igreja do pós-Concílio, um tema prático sobre o discernimento à luz do Espírito Santo. Como habitualmente, haverá tempos de oração e louvor, adoração e eucaristia.

INSCRIÇÃO A ENVIAR POR FORMULÁRIO:

Participação pedida no local de 5€/adulto para suporte das despesas com a organização. 
Caso queira fazer um donativo para a Comunidade Emanuel,
IBAN: PT50 0035 0671 000 14469830 02 (indicar “Donativo CE [seu nome]“)
Para recibo, enviar email com Nome, NIF e comprovativo de transferência para: c.emanuel.portugal@gmail.com

Encontro de adolescentes – Emanuel Teens

Paralelamente ao Fórum, haverá um encontro da Emanuel Teens – o ramo que na Comunidade Emanuel se ocupa da pastoral com os adolescentes.

Uma questão ? Precisa de ajuda ?

Telefone: 239 838 481
E-mail: c.emanuel.portugal@gmail.com

Porfsweb

Fórum 2022 – Na força do Espírito – emissão online de sábado

Programa completo em https://www.comunidade-emanuel.pt/forum/

Este ano, este evento anual proposto pela Comunidade Emanuel será em Coimbra, no Salão Paroquial da igreja de São José. Claro que poderá acompanhar todas as atividades online, aqui, a partir do YouTube – no entanto, teríamos imenso gosto que pudesse estar presencialmente conosco, no Salão de São José, em Coimbra.

O tema – “Na força do Espírito” – será desenvolvido por um irmão belga da comunidade, o Jean-Luc Moens, que até há poucos meses era também o Moderador Internacional da Charis. Contaremos ainda com a presença do bispo de Coimbra, D. Virgílio, que nos virá dar uma perspetiva de “Como é que o Espírito Santo conduziu a Igreja desde o Concílio Vaticano II”, e da Ir. Goreti, uma doroteia, que nos dará pistas concretas de como “Viver do Espírito Santo no quotidiano”.

Transmissão no sábado: https://youtu.be/x6lD3wo9rn0
Transmissão de Domingo: https://youtu.be/cEOPnZNx41M

Porfsweb

Partiu Hervé Marie Catta

Comunicamos a todos os nossos amigos que o n osso irmão Hervé Marie Catta entrou na luz de Deus na passada sexta-feira santa, 15 de abril de 2022.

Marido de Martine Catta e pai de 3 filhos, Hervé Marie dedicou a sua vida à evangelização, mesmo quando limitado ao seu quarto de hospital.

Veio várias vezes a Portugal, ao longo dos últimos 30 anos: falou em várias Assembleias do RCCP e deu frequentemente formação comunitária nos nossos encontros mensais.

Damos graças a Deus pela vida de Hervé Maria!

O funeral terá lugar na quinta-feira, 21 de abril, em Locarn (Côtes d’Armor), seguido de uma eucaristia às 14h30.

Porfsweb

Domingo de ramos

Deus todo-poderoso e eterno, que, para salvar a humanidade, quisestes que o nosso Salvador Se fizesse homem e suportasse a cruz, fazei que vivamos unidos a Ele na sua paixão para chegarmos a tomar parte na glória da sua ressurreição. Ele que é Deus e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo, por todos os séculos dos séculos.

Paixão de nosso Senhor Jesus Cristo

São Lucas é evangelista especialmente culto, pois que, segundo a tradição, era médico, e muito atento a circunstâncias mais significativas da sensibilidade dos participantes da Paixão do Senhor, como na referência às mulheres que desde a Galileia O tinham acompanhado e Lhe saíram ao encontro no caminho do Calvário e O seguiram até à hora da sua morte; é ele o único que refere o suor de sangue na agonia de Jesus, como também a oração do bom ladrão na cruz e o perdão que em resposta o Senhor lhe oferece. Ele é, de facto, o evangelista da misericórdia de Jesus.

Porfsweb

5º Domingo da Quaresma

Senhor nosso Deus, concedei-nos a graça de viver com alegria o mesmo espírito de caridade que levou o vosso Filho a entregar-Se à morte pela salvação dos homens. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

«Quem de entre vós estiver sem pecado atire a primeira pedra»

A novidade que Deus oferece ao mundo em Jesus Cristo não aparece à custa da destruição do que anteriormente existiu. A graça não vem à custa da morte do pecador. É a partir da história dos homens pecadores que Deus vai fazer surgir a história da salvação, que os há-de renovar. É na mulher pecadora que Jesus faz brilhar a luz nova da sua graça. Envelhecida pelo pecado, torna-se, pelo poder do Senhor, nova criatura.