Arquivo da categoria Atividades

Porfsweb

RETIRO VINHA DE RAQUEL – 𝙥𝙖𝙧𝙖 𝙢𝙪𝙡𝙝𝙚𝙧𝙚𝙨 𝙦𝙪𝙚 𝙚𝙨𝙩𝙞𝙫𝙚𝙧𝙖𝙢 𝙚𝙣𝙫𝙤𝙡𝙫𝙞𝙙𝙖𝙨 𝙚𝙢 𝙖𝙘𝙩𝙤𝙨 𝙙𝙚 𝙖𝙗𝙤𝙧𝙩𝙤.

Não sendo organizado pela Comunidade Emanuel, empenhamo-nos na sua divulgação.

Muitas mulheres sofrem por causa da dormência emocional e sigilo que muitas vezes envolve uma experiência de aborto, várias emoções em conflito podem ficar por resolver, durante e após a experiência.

Estes sentimentos enterrados podem surgir mais tarde e podem ser sintomas de um trauma pós-aborto.

A Vinha de Raquel é uma obra de Compaixão e Misericórdia que a Pastoral da Família oferece visando o acompanhamento e apoio espiritual e psicológico, individual ou em grupo, a quem sofre por ter passado pela dor do aborto. Tudo é realizado no máximo dos sigilos.

INCRIÇÔES: apoio@vinhaderaquel.org

Porfsweb

Oração de Cura e Misericórdia em regime misto – 3 de junho

A Oração de Cura e Misericórdia, dia 3 de junho de 2021, sempre na primeira quinta feira de cada mês, a partir da igreja de SJBaptista em Coimbra, continua a funcionar num regime misto: quem o desejar, enquanto a lotação da igreja o permitir e respeitando todas as orientações da Conferência Episcopal Portuguesa sem descurar as recomendações da DGS, poderá comparecer na igreja de São João Baptista onde habotualmente decorre a adoração eucarística desde as 8h00 ou ligar-se pelo Zoom e participar online.

Assim, se quiser participar pelo Zoom, poderá fazê-lo a partir das 21h30 usando este link:

https://zoom.us/j/98379096808?pwd=MWZzdktUM0I2Z09VS3FvQ284NGRLUT09
ID da reunião: 983 7909 6808
Senha de acesso: vKp9u7

Porfsweb

Oração de Cura e Misericórdia em regime misto – 6 de maio

A Oração de Cura e Misericórdia, sempre na primeira quinta feira de cada mês, a partir da igreja de SJBaptista em Coimbra, depois de alguns meses em regime online, pelo Zoom, vai-se aventurar num regime misto: quem o desejar, enquanto a lotação da igreja o permitir e respeitando todas as orientações da Conferência Episcopal Portuguesa sem descurar as recomendações da DGS, poderá comparecer na igreja de São João Baptista onde decorre a adoração eucarística desde as 8h00 ou ligar-se pelo Zoom e participar online.

Na verdade, muitas vezes e de muitas maneiras temos vindo a experimentar quase até à exaustão que ao Senhor e ao seu Espírito Santo tanto se lhe dá que estejamos presencialmente ou online: temos continuado a ser abundantemente presenteados com a sua graça, quase sempre para nossa grande surpresa e crescimento na confiança, abandono e fé.

Quinta feira, dia 6 de maio, pelas 21h30 presencialmente ou online: o link é divulgado por volta das 20h00 nos nossos sites e na nossa LinkTree (https://linktr.ee/comunidadeemanuel).

https://us02web.zoom.us/j/87007127369?pwd=eTMwZFFSd1pPTnplcDNHRThqM2QyUT09

ID da reunião: 870 0712 7369
Senha de acesso: 747967

Porfsweb

Fórum 2021 – Chamados à Liberdade

Vai realizar-se, nos dias 17 e 18 de abril de 2021, mais um Fórum, organizado e animado pela Comunidade Emanuel. Este ano, será online, o que, não nos permitindo o contacto fraterno próximo, permitirá a participação de pessoas de qualquer parte do mundo! Inspirados na palavra de S. Paulo, “Foi para a liberdade que fostes chamados”, o tema geral será “Chamados à Liberdade”.

Num tempo marcado pelas restrições de contactos, mobilidade e liberdades, vale a pena refletir sobre este tema.

O que é a liberdade cristã?
Como podemos exercer a liberdade?
Quais são os obstáculos à liberdade?

Além de três conferências principais, teremos ateliês sobre alguns temas como a eutanásia, livres para escolher e o que é a Comunidade Emanuel. Como habitualmente, haverá tempos de oração e louvor, adoração e eucaristia.

  • O conferencista principal será o Pe. Marc Timmermans, sacerdote da Comunidade Emanuel, professor de teologia moral e membro da Emmanuel Priest Band.
  • Começa no dia 17 às 10:00 e termina no dia 18 pelas 16:30 (poderá vir ser ajustado devido à situação do COVID)

INSCRIÇÃO A ENVIAR POR FORMULÁRIO:

Participação grátis. Caso queira fazer um donativo para a Comunidade Emanuel,
IBAN: PT50 0035 0671 000 14469830 02 (indicar “Donativo CE [seu nome]“)
Para recibo, enviar email com Nome, NIF e comprovativo de transferência para: c.emanuel.portugal@gmail.com

Uma questão ? Precisa de ajuda ?

Telefone: 239 838 481 (de manhã)
E-mail:c.emanuel.portugal@gmail.com

Porfsweb

Entre a Páscoa e a Misericórdia

No ano 2000 São João Paulo II dedicou o domingo a seguir à Páscoa à Misericórdia Divina em resposta ao pedido que Jesus fez a Santa Faustina, a qual no início do séc. XX teve numerosas visões de Jesus Ressuscitado. Está é, portanto uma Festa que o próprio Jesus pediu para ser instituída !! E será no próximo domingo.

Estamos na semana em que os discípulos, apesar de ter visto o Ressuscitado no domingo de Páscoa, continuaram cheios de medo, mantendo «as portas fechadas» e sem conseguir sequer convencer da ressurreição o único ausente, Tomé. E o que é que faz Jesus perante esta incredulidade medrosa? Regressa 8 dias depois e coloca-Se na mesma posição, «no meio» dos discípulos, e repete a mesma saudação: «A paz esteja convosco!» (Jo 20, 19.26).

A ressurreição do discípulo começa daqui, desta misericórdia fiel e paciente, da descoberta que Deus não Se cansa de estender-nos a mão para nos levantar das nossas quedas. Quer que O vejamos assim: não como um patrão com quem devemos ajustar contas, mas como o nosso Papá, que sempre nos levanta. Na vida, caminhamos tateando, como uma criança que começa a andar, mas cai; dá alguns passos e cai novamente; cai e volta a cair, mas sempre o pai a levanta. A mão que nos levanta sempre é a misericórdia: Deus sabe que, sem misericórdia, ficamos caídos no chão; ora, para caminhar, precisamos de ser postos de pé.

Podemos achar que estamos sempre a cair… O Senhor sabe disso, e está sempre pronto a levantar-nos de novo. Não quer ver-nos a pensar continuamente nas nossas quedas, mas que olhemos para Ele, que, nas quedas, vê os filhos a levantarem-se; e nas misérias, vê filhos a amar com misericórdia.

Jesus disse á Santa Faustina: «Eu sou o amor e a misericórdia em pessoa; não há miséria que possa superar a minha misericórdia».

E ainda:

“A humanidade não encontrará paz, enquanto não se voltar com confiança para a Misericórdia Divina”. Jesus incentiva-nos a dizermos-Lhe frequentemente: “Jesus, eu confio em Ti!” Se há Alguém em quem podemos confiar é n’Ele, que deu a vida por nós.

Um dia em que a Santa Faustina dizia toda contente a  Jesus que Lhe oferecera toda a sua vida  tudo o que tinha, ouviu d’Ele uma resposta que a surpreendeu. Jesus queixou-se: «Tu não me ofereceste aquilo que é verdadeiramente teu». Que teria então ela guardado para si? É então que Jesus lhe diz: «Filha, dá-me a tua miséria» Podemos, também nós, interrogar-nos: «Dei a minha miséria ao Senhor? Mostrei-Lhe as minhas quedas, para que me levante?» Ou há algo que conservo ainda dentro de mim? Um pecado, um remorso do passado, uma ferida que trago dentro, rancor contra alguém, mágoa contra uma pessoa em particular… O Senhor espera que Lhe levemos as nossas misérias, para nos fazer descobrir a sua misericórdia.

Durante a Paixão, os discípulos tinham abandonado o Senhor e sentiam-se em culpa. Mas Jesus, ao encontrá-los, não lhes prega um longo sermão. A eles, que estavam feridos por dentro, mostra as suas chagas. Tomé pode tocá-las, e descobre o amor: descobre quanto Jesus sofrera por ele, que O tinha abandonado. Naquelas feridas, toca com a mão a terna proximidade de Deus. Tomé, que chegara atrasado, quando abraça a misericórdia, ultrapassa os outros discípulos: não acredita só na ressurreição, mas também no amor sem limites de Deus. E faz a profissão de fé mais simples e mais bela: «Meu Senhor e meu Deus!». Ora aqui está a ressurreição do discípulo: realiza-se quando a sua humanidade, frágil e ferida, entra na humanidade de Jesus. Aqui dissolvem-se as dúvidas; aqui Deus torna-Se o meu Deus; aqui recomeça a aceitar-se a si mesmo e a amar a própria vida.

Na provação que estamos a atravessar, também nós, com os nossos medos e as nossas dúvidas como Tomé, nos reconhecemos frágeis. Precisamos do Senhor, que, mais além das nossas fragilidades, vê em nós uma beleza indelével. Com Ele, descobrimo-nos preciosos nas nossas fragilidades. Descobrimos que somos como belíssimos cristais, simultaneamente frágeis e preciosos. E se formos transparentes diante d’Ele como o cristal, a sua luz – a luz da misericórdia – brilhará em nós e, por nosso intermédio, no mundo.

Nesta festa da Divina Misericórdia, este belo anúncio chega através do discípulo mais atrasado. Só faltava ele, Tomé. Mas o Senhor esperou por ele. A misericórdia não abandona quem fica para trás.

Tema dado pela Inês Pereirinha
no serão de cura e misericórdia de 8 de Abril 2021

Porfsweb

arRUMAr.TE: Gestos de Amor!

Próxima paragem do arRUMAr.TE: Gestos de Amor!Dia 20 de março 21h30!!!Inscrições⬇https://forms.gle/tiVgd7rnaxfjXrto9 (para os jovens)

Porfsweb

Caminhada de Quaresma – o poder transformador da Gratidão #01 – O poder da gratidão


Percurso dinamizado pela Comunidade Emanuel, sempre à terça feira à noite, durante a quaresma.

Ficheiro com o resumo e os exercícios: descarregar

GRATIDÃO, o mais benéfico dos hábitos interiores.

Os seus efeitos benéficos são surpreendentes. Eles são numerosos, duráveis ​​e comprovados. A gratidão está no coração da fé cristã, pois a própria palavra Eucaristia (missa) significa ação de graças, isto é, gratidão.

A gratidão atua ao nível do nosso corpo, da nossa psique, ao nível relacional e espiritual. Ao longo dessa jornada, aprenderemos a nos tornar pessoas cheias de gratidão e, assim, a entrar numa nova vida com Jesus.

Online, via Zoom. Inscreva-se em http://bit.ly/3aYQpnz

https://www.facebook.com/watch/?v=433640574520753

Inspirado na obra do Padre Pascal Ide, o “Milagre da Gratidão” é uma jornada de 5 etapas desenhada pelo Padre Lionel Dalle, um padre da Comunidade Emanuel, para formar os seus paroquianos durante a Quaresma. Os frutos foram tantos que muita gente pediu para reaproveitar o curso e adaptá-lo para acompanhar outros grupos.

Etapa 1: O poder da gratidão

Etapa 2: Cultive a virtude da gratidão

Etapa 3: Cresça em gratidão por si mesmo

Etapa 4: Torne-se um mestre na virtude da gratidão

Etapa 5: Sinta gratidão em tempos de provação

Porfsweb

Retiro de Advento com o Pe Fernando Santos

Estamos a iniciar o Advento, tempo de espera e caminhada para o Natal.

O Advento começa com um profundo suspiro de fé e de esperança dirigido ao Senhor, “nosso Pai”, “nosso Redentor”, semelhante aos que subiam da boca e do coração dos nossos antepassados na fé, os santos do Antigo Testamento, que viveram antes da vinda do Filho de Deus. A vigilância é agora inculcada, com todo o rigor, pelo próprio Senhor Jesus.

Esta vida é como uma longa vigília, com os seus tempos sucessivos aguardando o sol nascente – Cristo – que vem do alto, como todas as manhãs recordamos na oração da manhã (Laudes). A solenidade do Natal, a que o Advento nos conduzirá, vem, em cada ano, antecipar simbolicamente aquela vinda gloriosa do Senhor no último dia, o dia que nos introduz na “vida do mundo que há-de vir”.

Porfsweb

Oração de Cura e Misericórdia – As provações de S. José

Como tem vindo a acontecer desde há uns meses a esta parte, no serão de cura e misericórdia, depois de um tempo inicial de louvor ao Senhor sacramentalmente exposto, é feito um pequeno ensinamento/palestra de não mais de 10 minutos – o tempo de uma homilia. Na semana passada foi a partir de Mt 1, 18-25.

S. José teve muita sorte em ser o esposo de Maria e o pai humano de Jesus. Mas a sua vida não foi sempre muito fácil e repousante! Pelo contrário, a extraordinária responsabilidade que lhe foi entregue conduziu-o à santidade através de circunstâncias dramáticas. Vamos agora dar aqui alguns exemplos e veremos como este homem pode ser para nós modelo nas provações que ele teve de superar e que, por vezes, são semelhantes às nossas.

Primeiro que tudo, S. José sentiu-se certamente perplexo e ultrapassado pelo anúncio do nascimento sobrenatural de Jesus. Ele viu-se diante do incompreensível. Não podendo duvidar de Maria, ele com certeza duvidou de si próprio, sentindo-se indigno da missão grandiosa que lhe estava a ser proposta e que transtornava por completo os projetos de vida que ele legitimante tinha pensado com Maria. Qual é então a sua reação? É a de uma obediência a Deus imediata, total. Ele não discute, não entra em rodeios, não hesita. Ele é um homem justo, quer dizer “ajustado” à vontade de Deus em todas as coisas, mesmo quando não compreende tudo. A sua vida de homem justo, orante e crente, já o tinha preparado para desempenhar este papel extraordinário e a avançar.

Chegado a Belém, com a sua mulher quase a dar à luz, não é recebido na hospedaria: “E quando eles ali se encontravam, completaram-se os dias de ela dar à luz, e teve o seu filho primogénito, que envolveu em panos e recostou numa manjedoura, por não haver lugar para eles na hospedaria”. (Lc 2,6-7). Como S. José deve ter ficado dececionado, inquieto, tomado por um sentimento de impotência, ele que queria fazer o melhor possível pela sua mulher e pelo seu filho, estar à altura dos acontecimentos… Foi preciso aceitar a humilhação de não poder fazer nada, apesar do seu desejo, do seu amor. A única solução que conseguiu encontrar foi abrigarem-se num estábulo miserável. Ele só pode oferecer a sua pobreza, a sua boa vontade, a sua incapacidade. No entanto, é quando ele se deixa guiar na pobreza que ele percebe qual era o verdadeiro plano de Deus: o nascimento do Salvador do mundo na humildade mais profunda, na indiferença e rejeição dos homens.

Mais tarde, ele não pode deixar de se angustiar face às incertezas do seu futuro e da sua família. O rei Herodes quer matar o seu filho; é urgente fugir para o Egito, emigrar para um país estrangeiro, onde perde todas as suas referências, sem saber quanto tempo iria durar esse exílio.

“O anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse-lhe: Levanta-te, toma o menino e sua mãe, foge para o Egito e fica lá até que eu te avise, pois Herodes procurará o menino para o matar. E ele levantou-se de noite, tomou o menino e a sua mãe e partiu para o Egito, permanecendo ali até à morte de Herodes.” (Mt 2, 13-15)

Quando Jesus tinha doze anos, S. José perde-o em Jerusalém, ele que era o responsável pelo menino diante de Deus. Qual deve ter sido de novo a sua angústia, como se deve ter recriminado a si mesmo!

A própria Maria declara ao seu filho quando o reencontram no Templo ao fim de três dias de aflição: “Filho, porque nos fizeste isto? Olha que teu pai e eu andávamos aflitos à tua procura!” (Lc 2, 48).

Em todos estes acontecimentos, S. José escolheu um só caminho: obedecer a Deus, escutar a sua palavra, transmitida pelo anjo e pelo seu filho. Ele, tal como Abraão seu ancestral, confiou sempre no Senhor, sem desfalecer. Ele guardou uma fé total, mesmo tendo tido, com certeza, muitas lutas interiores.

Porque ele foi, sem dúvida, provado na sua fé. Ele acompanhou Jesus durante uma grande parte da sua vida oculta, sem nunca ter visto nenhuma das promessas de Deus acontecerem. Ele esperou o cumprimento da palavra de Deus. Parecia ser em vão. Jesus vivia em Nazaré, sem sair muito dali, sem fazer nada de extraordinário: será mesmo ele o Messias? Como ter a certeza? “Jesus crescia em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos Homens”. (Lc 2, 40). No entanto, José permaneceu confiante, rezando na esperança, sem exigir explicações da parte de Deus. Numa espera serena face ao mistério silencioso de Jesus, esta criança e depois este jovem tão perfeito, tão dotado, este excelente carpinteiro que não revelava nada do seu destino como Messias.

José perplexo, rejeitado, angustiado, posto à prova como tantos pais, como a maior parte de nós aqui, num momento ou outro da nossa vida. As suas respostas deveriam ser as nossas respostas, porque ele é um guia seguro para cada um de nós.

Como ele, nós deveríamos procurar ser “justos”, preparando-nos pela oração, pela escuta da palavra de Deus, pela escolha de uma vida digna, para nos “ajustarmos” à vontade de Deus. Como S. José, podemos decidir obedecer ao Senhor em todas as coisas, entregando-lhe cada instante da nossa existência. Como S. José, no que quer que nos aconteça, podemos assim permanecer na confiança em Deus, contra tudo e todos, e permanecer firmes na fé, na esperança e na paz.